Evangelho segundo S. Marcos 9,14-29. CATOLICO


Segunda-feira da 7ª semana do Tempo Comum

Livro de Eclesiástico 1,1-10.

Toda a sabedoria vem do Senhor e permanece junto dele para sempre.

A areia dos mares, as gotas da chuva, os dias da eternidade, quem os poderá contar?

A altura do céu, a extensão da terra, o abismo e a sabedoria, quem os poderá medir?

A sabedoria foi criada antes de todas as coisas, e a luz da inteligência, desde a eternidade.

A fonte da sabedoria é a palavra de Deus nos céus; os seus caminhos são os mandamentos eternos.

A quem foi revelada a raiz da sabedoria, e quem pode discernir os seus planos?

A quem foi manifestada a ciência da sabedoria? E quem pode compreender a riqueza dos seus caminhos?

Só há um sábio, sumamente temível: o que está sentado no seu trono.

Foi o Senhor quem a criou, quem a viu e a mediu, e a difundiu sobre todas as suas obras,

e por todos os homens, segundo a sua liberalidade, e a comunicou àqueles que o amam.

O amor do Senhor é uma sabedoria gloriosa. Ele a comunica àqueles a quem se revela, para que o vejam.

Livro de Salmos 93(92),1ab.1c-2.5.

O Senhor é rei, revestiu-Se de majestade,
revestiu-Se e cingiu-Se de poder.
Firmou o universo, que não vacilará.
É firme o vosso trono desde sempre,

Vós existis desde toda a eternidade.
Os vossos testemunhos são dignos de toda a fé,
a santidade habita na vossa casa
por todo o sempre.

Evangelho segundo S. Marcos 9,14-29.

Naquele tempo, Jesus desceu do monte, com Pedro, Tiago e João. Ao chegarem junto dos outros discípulos, viram uma grande multidão à sua volta e os escribas a discutir com eles.
Logo que viu Jesus, a multidão ficou surpreendida e correu a saudá-l’O.
Jesus perguntou-lhes: «Que estais a discutir?».

Alguém Lhe respondeu do meio da multidão: «Mestre, eu trouxe-Te o meu filho, que tem um espírito mudo.
Quando o espírito se apodera dele, lança-o por terra, e ele começa a espumar, range os dentes e fica rígido. Pedi aos teus discípulos que o expulsassem, mas eles não conseguiram».

Tomando a palavra, Jesus disse-lhes: «Oh geração incrédula! Até quando estarei convosco? Até quando terei de vos suportar? Trazei-mo aqui».

Levaram-no para junto d’Ele. Quando viu Jesus, o espírito sacudiu fortemente o menino, que caiu por terra e começou a rebolar-se espumando.

Jesus perguntou ao pai: «Há quanto tempo lhe sucede isto?». O homem respondeu-lhe: «Desde pequeno.
E muitas vezes o tem lançado ao fogo e à água para o matar. Mas se podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós e socorre-nos».
Jesus disse: «Se posso?… Tudo é possível a quem acredita». Logo o pai do menino exclamou: «Eu creio, mas ajuda a minha pouca fé».

Ao ver que a multidão corria para junto d’Ele, Jesus falou severamente ao espírito impuro: «Espírito mudo e surdo, Eu te ordeno: sai deste menino e nunca mais entres nele».
O espírito, soltando um grito, agitou-o violentamente e saiu. O menino ficou como morto, de modo que muitas pessoas afirmavam que tinha morrido.
Mas Jesus tomou-o pela mão e levantou-o, e ele pôs-se de pé.

Quando Jesus entrou em casa, os discípulos perguntaram-Lhe em particular: «Porque não pudemos nós expulsá-lo?».
Jesus respondeu-lhes: «Este género de espíritos não se pode fazer sair, a não ser pela oração».

Palavra da Salvação…